voltar para índice da página Memória

 

A Segunda Série de TV Brasileira, 1960

Memória de Isabel Fomm de Vasconcellos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

"o “copião”, que digitalizei com um fundo musical, ainda que sem falas, é um barato! Você pode assistir, ver a interpretação de Tarcísio e dos atores, ver a direção do genial Antunes Filho" ASSISTA

 

Em 1960, Jânio Quadros era o presidente do Brasil, eleito pelo voto popular com a maior votação da história.

Jânio fez leis esdrúxulas, proibiu o biquíni (ai!), a briga de galo...

Mas, entre as suas determinações, estava a de que, em cada oito séries de TV, exibidas pelas nossas televisões, uma deveria ser nacional.  Era uma lei protecionista e todos os produtores da época ficaram muito entusiasmados.

 

Um capítulo de uma série de TV, produzida no Brasil, custava na época entre 700 mil e um milhão de cruzeiros. A importada chegava aqui por 300 mil. Sem a lei, não haveria como concorrer com as importadas.

 

Foi nessa época que Alfredo Palácios conseguiu produzir e vender (patrocinar) sua famosa série “O Vigilante Rodoviário”.

Meu pai, Alfredo Fomm de Vasconcelllos, tinha então um laboratório e uma produtora de cinema em 16mm. Meu irmão, Alvan, trabalhava na TV Excelsior, que era líder de audiência. Assim, os dois resolveram produzir uma série para TV.

 

Para escrever a série, chamaram Roberto Freire.

Para dirigir, Antunes Filho.

Para estrelar, Tarcísio Meira e Anik Mavil.

E para contracenar, um monte de atores importantes da época, como Fulvio Stefanini e Francisco Cuoco.

 

A série se chamava “Rádio Patrulha” e contava as histórias de moças atacadas por um bando de “playboys” que as agrediam e marcavam seu rosto. Tarcísio Meira era o detetive responsável pela investigação dos casos. Anik, uma das vítimas.

Eu tinha apenas 9 anos de idade quando meu pai e meu irmão começaram a produzir a série. Tive catapora. E Glória Menezes, então namorada de Tarcísio, foi me visitar, eu toda cheia de berebas e ela esbanjando suas lindezas, toda simpática e carinhosa, me consolando no quarto.

Quando sarei da catapora, uma noite, estava sapeando os artistas na sala de projeção do laboratório do meu pai e Tarcísio Meira se aproximou de mim. Colocou as mãos sobre os meus ombros e disse:

- Princesa, me consegue um copo d’água?

Corri para a cozinha, em busca da empregada, com o coração disparado. Aquele galã... Nunca esqueci.

 

Depois, de vez em quando, meu irmão Alvan me levava às locações de filmagem. Eu ficava fascinada com a boate cenográfica que eles construíram nos porões do teatro Maria Della Costa, onde meu primo Sergio Marques tocava piano e um montão de atores encenavam a realidade da vida noturna paulistana do começo dos anos sessenta, que estava a milhões de distância da realidade dos meus 9 anos de idade.

Todo o esforço da grande equipe de produção, atores, o investimento do meu pai... tudo foi em vão, infelizmente. Em agosto de 1961, como se sabe, Jânio renunciou à presidência e a lei que obrigava as produções nacionais na TV caiu por terra. Assim, com um custo 3 vezes maior para as séries nacionais contra as importadas, todos os patrocinadores desistiram.

Sobrou apenas um “copião” do que já havia sido filmado.

Um “copião” é a primeira cópia de trabalho, tem apenas a cenas filmadas, sem som. O som, no cinema, é colocado depois. Mas o “copião”, que digitalizei com um fundo musical, ainda que sem falas, é um barato! Você pode assistir, ver a interpretação de Tarcísio e dos atores, ver a direção do genial Antunes Filho, ver a fotografia de Carlos Alberto (prêmio Roquette Pinto de iluminação)a quem eu chamava carinhosamente de “inventor maluco e pipocas”,  porque ele vivia inventando máquinas esquisitas e fazia a melhor pipoca de São Paulo.

 

 

Links que contam nossa história na TV:

 

programa médico (Junta Médica)

 

programa feminista (Condição de Mulher)

 

Alvan

 

História da nossa família na TV Brasileira

 

Rede Mulher de TV

 

 

Comente (seu comentário será publicado aqui)

TV Memória - a segunda série de Tv do Brasil - 1960

 

Poxa que saga! li seu depoimento sobre a série e fiquei comovido, de fato o material alem de otimo é extremamente raro.

Resposta S&L:

É emocionante mesmo, né? Grata por suas considerações.

 

Mauro Gianfrancesco Isabel Fomm de Vasconcellos, minha linda... vivendo e aprendendo sempre... não sabia da existência deste acontecimento... vibrei quando li o teu testemunho e vibrei mais ainda quando vi os quatro minutos e pouco... que beleza!!! Parabéns pela obra e pelo "prejuizo" aos 9 aninhos... rsrsrsrs

Mauro Gianfrancesco Annick Deligant está com este copião??? Espero que sim... se por acaso não estiver, por favor, faça contato com ela... é minha amigona querida... Beijos pras duas lindas...

Isabel Fomm de Vasconcellos Que bom! Vou falar com ela. Mauro, o copião está na Cinemateca, é muito mais do que esses 4 minutos.

Celso Principal

tarcisio meira era jovem,,,,,,,

SAÚDE&LIVROS  

+Celso Principal , rsrsrs... e eu, criança, toda feliz por ter por perto tantos astros...

 

aparecida borges

muito bom obrigado por compartilhiar!

SAÚDE&LIVROS

+aparecida borges , imagine, eu é que agradeço por vc ter compartilhado dessa memória. Bjão.