voltar para a página-site de contos e artigos da escritora Isabel Fomm     ou   SAIBA MAIS SOBRE 8 DE MARÇO

 

MARÇO, O MÊS DA MULHER

O 8 de março é uma festa! Só que Não!
 


Já escrevi demais sobre o 8 de março.
Já comandei programas de TV e entrevistas demais sobre o 8 de março.
Já dei entrevistas demais à imprensa e à TV sobre o 8 de março.
Já escrevi algumas vezes que não aguento mais escrever, perguntar e responder sobre o 8 de março.
MAS...
Sempre tenho alguma coisa a dizer sobre o 8 de março.

O Dia Internacional da Mulher, quando tínhamos nosso programa Condição de Mulher, na TV Gazeta e outras TVs pelo Brasil (Não havia satélite...) nos anos 1980 era uma data desconhecida da maioria dos brasileiros e, quando falamos nisso na TV, não faltaram mulheres para “tirar um sarro” (como se dizia na época) da “nossa cara”.

Hoje, 30 anos depois dessa foto histórica (veja na subpágina 8 de março), a data virou uma espécie de outro dia das Mães ou outro Dia da Secretária. Só rindo mesmo... porque parece piada.

O 8 de março é uma criação das feministas Clara Zetkin e Alessandra Kollontai, em 1910, no Congresso Socialista.

É um dia de luta das mulheres contra a violação de seus direitos como cidadãs (e não, como querem alguns, luta das mulheres contra os homens).

O feminismo é até hoje visto por muita gente, inclusive intelectuais de respeito, como um movimento de mulheres feias e mal resolvidas sexualmente (eles dizem “mal amadas”). Algumas são mesmo. E eu, particularmente,
discordo frontalmente das feministas que querem negar o único (e maior) poder que as mulheres têm sobre os homens: o poder da sedução (lembra quando as bobocas do Ministério da Mulher censuraram o genial comercial de lingerie onde a Gisele Bunchen usava lingerie pra contar pro marido que bateu o carro dele?... rsrsrs... Isso é poder de sedução e não “coisificação” da mulher... santa diferença!)

Também discordo frontalmente das mulheres que acreditam que os homens devem ser sexualmente bobos como aquelas que acham que “sexo é só com amor”. São elas que tem que fazer sexo por sexo (ou por amor, quando houver amor) e não eles que tem que se tornar bobos como elas.

E, por fim, discordo das feministas que acham que homens e mulheres são iguais.
Nesse particular, estou de bem com Luiz Felipe Pondé, que diz que acreditar nessa balela é o mesmo que acreditar que as coisas caem não por força da gravidade e sim porque foram oprimidas socialmente e forçadas a cair. Homens e mulheres são MUITO diferentes biológica e culturalmente.

A luta feminista verdadeira é aquela das nossas bisavós e tataravós que sabiam que precisavam lutar pela “igualdade na diferença” e foram essas que conquistaram todos os direitos que temos hoje, mesmo aqueles que ainda não saíram do papel.

Feliz 8 de março, mulheres conscientes e lutadoras. Pras feministas sexualmente mal resolvidas, uma banana bem dada e pras outras que se dizem “femininas e não feministas” uma prece sincera para que abram os olhos: o Dia Internacional da Mulher é um dia de luta, não de festa. É o dia das nossas antepassadas, que brigaram para conquistar os direitos que temos hoje, algumas morreram, muitas foram presas, exiladas, mutiladas. Não há muita festa nessas lembranças.

 

Por hoje, é isso. Se quiser saber um pouco mais de tudo o que  já dissemos sobre essa data, clique aqui.

por Isabel Fomm de Vasconcellos

 

(Di Cavalcanti, 1941, Mulheres Lutando)

 

 

 

8 de março de 1986, meu programa Condição de Mulher na TV Gazeta (ver legenda)

 

Assista o programa Condição de Mulher, Especial aniversário, 30 anos.

1986-2016.

 

 

 

 

Comente (seu comentário será publicado aqui, a menos que vc diga que não que a publicação)

   

Vera Krausz Excelente!!! Amei teu texto!!!