voltar para a página principal do Osmar

POEMA ANIMAL...
por Osmar A Marques

 

No mundo animal,
Tá faltando vegetal...

Picasso, Guernica, 1937


- Pô Ema... gritou o macaco irado, dando um peteleco no seu traseiro... e pulou, para se esquivar, de um lado pro outro, sem parar.
- Num mete a mão em cumbuca. Que foi? Tá cum a macaca de novo? Retrucou Ema, nervosa, tirando a cabeça do chão.
- Esconde esta bunda depenada. Tá dando mal exemplo prus macaquins. Deveria estar no BBB ou posando prá revista erótica...
- Esconde a bunda como? O capim quase acabou... Vá pru teu galho. Assuma sua posição e deixa de ser viado...
- Vou como? Minhas árvores viraram lenha... e neste mato tinha que ter lebres, coelhos e não Emas impudicas...
- E pode tirar o cabeção da minha toca. Tá pensando o quê? Se exaltou o Tatu saindo do buraco e se dirigindo à Ema.
- Não se mete, ô bola... e arremeteu o pescoço em tom ameaçador.
- Você é que se meteu onde não era chamada. Ainda é de dia, os Tatuzins acordaram e agora não param de chorar...


 Formou-se a algazarra geral. Cheio de grilos. O burro empacou e começou a fazer asneiras! A vaca foi pro brejo e atolou! O jumento ficou excitado com a posição da Ema, o que revoltou mais ainda o macaco...
 - Deixa de ser besta jumento burro... ironizou o macaco inquieto.
 
 A coruja, recém despertada pelo barulho, não conseguia abrir os olhos e mesmo assim, sabiamente preveniu que os felinos poderiam virar uma onça e aí sobraria para todo mundo.
 
 O Gambá e o Pit Bull, totalmente bêbados, voltavam cambaleando da balada e como não reconheciam o caminho de casa pararam para espiar, mas não pararam de cantar:
 - Eu não sou cachorro nãoooo!!!
 - Enfurecida, Casca tirou o véu e começou a chacoalhar o rabo, pronta para o bote.
 - Teu chocalho tá fora do ritmo da nossa música, rosnou Pit... Enquanto isto, as Hienas que aguardavam para ver se sobrava alguma coisa funesta, não paravam de rir da situação...
 
 - Melhor não falarem nada, falou a Maritaca. Chamo a Águia! Chamo a Àguia! Hahahahahahaha
 
 
- Vai dar zebra! Observaram as girafas do alto da sua grandeza e pescoçando enxeridamente.
 
 - Os Urubus voavam cada vez mais baixo e se animavam com a possibilidade de uma carnificina eminente...
 - Bem te vi! Bem te vi! E o amarelinho não parava de olhar ao longe...
 - Viu nada! Quem viu primeiro fui eu! Quem viu primeiro fui eu! Ecoou a voz do Lince, que já tinha se apossado do seu espaço na floresta distante e ainda intacta.
 
 
Aí,o coelho ameaçado se empertigou, se encheu de coragem e vociferou contra o réptil:
 - Sai prá lá Jacaré!!! Fecha o bocão e vá pegar suas piranhas longe daqui...
 - Vá te catar, junto com sua coelha galinha...
 - Galinha é a mãe contra-atacou a coelha ofendida e se entocou para proteger a numerosa prole.
 
 - Propooonhoooo aaaa paaazzzzz! Lentamente balbuciou a Preguiça agarrada ao único tronco restante... e Ahhhhhhhh, bocejou longamente... Não percebem que ainda há esperança??? E voltou a dormir...
 
 
- Não é mais esperança. É fato! Pronunciou a assanhada borboleta que voava em zigue zagues alertando que a combatente abelha já havia visitado um novo local e que tinha espaço suficiente para todos. O Lince já está lá...
 
 - Vamos lá! Eu cuido da mudança geral. Ponham tudo na minha carroça... O transporte é por nossa conta, uniram-se os cavalos e muares.
 
 - Agora é só comemorar o novo habitat. Beijar flores! Só não vale abraço de Tamanduá...
 
 - Fante o grandão, com sua memória de elefante se encarregava de registrar tudinho para que as gerações futuras se precavessem e evitassem a destruição do ambiente, como eles fizeram...
 
 - Pô Ema... Então vamos...