voltar para a página do doutor Kalil

 

O que tem a depressão a ver com a inflamação?

por Prof. Dr. Kalil Duailibi

(Alberto Sughi, Sposi)

 

As mais recentes pesquisas em saúde mental tem mostrado a relação entre a depressão e desajustes no sistema imunológico. O problema é saber , já que o sistema imunológico pode desempenhar um papel significativo no desenvolvimento da doença depressão, se o estado depressivo é causa ou consequência do processo inflamatório.

 

Pacientes com depressão apresentam um aumento da concentração sanguínea de marcadores inflamatórios, mesmo estando ausente uma doença física identificável.

 

Fato é que tantos os doentes crônicos (vítimas do prcesso inflamatório) ficam mais deprimidos como os doentes deprimidos tendem a ser mais propensos às doenças infecciosas.

 

Um exemplo de como a depressão poderia ser compreendida como manifestação de uma síndrome inflamatória é o comportamento de pacientes com gripe: nessa situação não é rara a demonstração de letargia e a presença do humor depressivo.

 

Parece tanbém muito fácil para um paciente que está sofrendo com uma doença inflamatória crônica, ainda que controlada, apresentar sintomas de depressão, até como resposta psicológica à condição limitante que este vivencia.

 

Por outro lado, em razão do quadro depressivo, o hipotálamo – região cerebral que, entre outras funções, coordena a produção de hormônios em diferentes glândulas – estimula a produção de cortisol (conhecido como hormônio do estresse) em excesso. Essa alteração estimula a liberação de fatores inflamatórios e a diminuição da capacidade imunológica do organismo. Por isso, os pacientes depressivos tem maiores riscos de apresentar doenças do que aqueles que não apresentam depressão.

 

 

 

 "O problema é saber  se o estado depressivo é causa ou consequência do processo inflamatório."

SINTOMAS E CIRCUITOS DA DEPRESSÃO

Sintomas

Região cerebral de processamento

Neurotransmissores envolvidos

Humor deprimido

Amígdala

Córtex pré-frontal (Ventromedial e Área subgenual)

Serotonina, noradrenalina e dopamina

Apatia e perda de interesse

Córtex pré-frontal

Hipotálamo

Nucleus accumbens

Dopamina e noradrenalina

Alteração do sono

Córtex pré-frontal

Hipotálamo

Tálamo

Prosencéfalo basal

Serotonina, noradrenalina e dopamina

Fadiga

Córtex pré-frontal

Núcleo estriado

Nucleus accumbens

Dopamina e noradrenalina

Disfunção executiva (dificuldade de planejamento e realização de atividades rotineiras em sequência)

Córtex pré-frontal

Dopamina e noradrenalina

Alterações psicomotoras (agitação e lentidão)

Núcleo estriado

Córtex pré-frontal

Cerebelo

Serotonina, noradrenalina e dopamina

Alterações de peso e apetite

Hipotálamo

Serotonina

Ideação suicida

Amígdala

Córtex pré-frontal (Ventrolateral e Orbital frontal)

Serotonina

Ideação de culpa e menos-valia (inferioridade)

Amígdala

Córtex pré-frontal (Ventrolateral)

Serotonina

 

Comente (seu comentário será publicado aqui, a menos que vc diga que não quer a publicação)

 

Diva I. Jacinto Bom saber !