voltar para a página do doutor

 

A banalização do diagnóstico psiquiátrico.

por Prof. Dr. Joel Rennó Jr.

Julgar, de fora, se uma pessoa é psicopata ou bipolar é uma tarefa extremamente árdua e complexa. Pessoas normais podem ser excluídas socialmente, por rótulos atribuídos por leigos ou julgamentos precipitados. Só o médico psiquiatra preparado, através de uma rigorosa anamnese (histórico do paciente) psiquiátrica e exame psíquico, está habilitado para fazer corretamente um diagnóstico psiquiátrico apurado.

 

(Bouguereau, Pensativa)

Confesso que sempre tive a intenção de divulgar conhecimentos médicos da área de psiquiatria de uma forma clara, honesta e objetiva, a fim de ajudar na luta de pacientes e familiares contra os estigmas e sofrimentos pertinentes a essa importante área da medicina: alvo ainda de muitas desinformações e preconceitos.

Porém, toda informação da área precisa ser filtrada de forma cuidadosa e respeitosa. Noto que, apesar do discurso social, alguns profissionais, não necessariamente da área de saúde mental, só estão interessados em vender livros e angariar recursos financeiros com palestras. O livro, em teoria, é bom, mas… na hora da prática clínica a conversa é outra.

 

Dentro da imprensa também observo determinados sensacionalismos desnecessários e até cruéis envolvendo a saúde mental.

Não quero generalizar jamais; até porque há exceções honrosas, mas que vista a carapuça quem quiser.

Observo alguns profissionais, autores de livros de autoajuda ou do gênero de não ficção, que parecem estar interessados apenas nos lucros auferidos por royalties, perante editoras cada vez mais ambiciosas e comerciais.

Digo isso porque eu e muitos outros colegas do meio acadêmico recebemos, continuamente, inúmeros pacientes desesperados que chegam angustiados aos nossos consultórios e hospitais com diagnósticos fictícios de TDAH (Transtorno do Déficit Atencional e Hiperatividade), conhecido também como DDA, TBH (transtorno bipolar de humor), transtorno de personalidade (TP), entre outros. De repente, todo mundo de perto tem algum transtorno mental. Será verdade?

A psiquiatria é uma ciência complexa que não permite posturas simplistas e superficiais –

honestamente, é isso que eu vejo
lamentavelmente na atualidade, em livros considerados “best-sellers” da área, escritos por profissionais, com todo o respeito, sem gabarito ou competência acadêmica e clínica.

Infelizmente, as pessoas procuram tais médicos por ingenuidade ou falta de informação. Muitos desses profissionais são exaltados pela imprensa, que nessas horas, dá pouca importância à análise curricular de tais pessoas, sem checar a veracidade das informações e competência das mesmas.

 

Como filtrar informações

de livros e da mídia

 

As pessoas devem tomar muito cuidado com as informações colhidas em internet ou em livros que possam induzir o leitor a um autodiagnóstico psiquiátrico. Devem checar, perante as associações ou entidades sérias como a ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria) a idoneidade e o gabarito de tais profissionais. Outros meios de checagem da qualidade técnica de tais profissionais são as indicações de outros pacientes e resultados conseguidos com casos difíceis, além de trabalhos realizados em instituições acadêmicas qualificadas.

 

No Brasil, em muitas ocasiões, o critério de escolha é frívolo, baseado em opiniões de artistas, de apresentadores de TV ou propagandas diretas ou indiretas.

Ser competente é sinônimo, em muitos meios, de ter dinheiro, status e poder.
Sou plenamente a favor da informação e da orientação em saúde mental, porém, sem sensacionalismos baratos e até cruéis. Informações devem ser fornecidas por profissionais que têm conhecimento e vivência verdadeiros na área.

 

As telenovelas têm exagerado em

alguns estereótipos psiquiátricos, dizem que a função social é exercida, porém, quando as pessoas chegam ao meu consultório com hipóteses diagnósticas descabidas, isso demonstra ser um argumento frágil. Acredito que o tiro esteja saindo pela culatra. Novelas estão se tornando muito pesadas, precisa haver melhor consultoria e maior leveza e realidade nas abordagens dos temas de saúde mental.

Enfim, caros leitores, não tive quaisquer intenções de atingir diretamente a qualquer profissional. Porém, preocupo-me muito com o excesso de informações expostas na mídia, algumas de qualidade questionável na área de saúde mental. Há um pânico descabido em nossa sociedade quanto a determinados transtornos mentais, precisamos achar um ponto de equilíbrio e sobriedade. Os critérios de escolhas dos médicos também precisam ser repensados pelas pessoas, uma vez que, raramente, grandes lideranças do mundo científico escrevem livros para leigos. E, nessas horas, podem surgir oportunistas de plantão com fins mercantilistas e de autopromoção.