voltar para a página-site da Dra. Flávia

 

Aborto de Repetição Tem Tratamento

Por Dra. Flávia Fairbanks

 

(Paula Becker, 1906, auto retrato)

 

 

 

 

O aborto de repetição (perda gestacional) é detectado quando a mulher não consegue levar a gestação adiante, ocasionando perda prematura e espontânea de duas, três ou mais gravidezes consecutivas.

Nos últimos anos, algumas pesquisas científicas desenvolvidas trouxeram explicações que justificam o problema, bem como tratamentos eficientes no combate ao aborto de repetição.

As causas mais comuns da perda gestacional prematura são:
1. alterações intra-uterinas,
2. má formação do feto
3. carência de vitaminas
4. fatores imunológicos


Para todos esses fatores há possibilidade de tratamentos capazes de reverter a situação.

1.2. Tanto para casos de má formação quanto alterações intrauterinas é possível, na maioria absoluta dos casos, corrigir o problema na anatomia da mulher através de uma intervenção cirúrgica.

3. Quando a causa é carência de vitaminas, a solução é ainda mais simples. O que há é a baixa dosagem de vitamina D. A reposição pode ser feita de forma muito simples, através de ingestão de algumas gotas semanalmente em fórmulas desenvolvidas em farmácias de manipulação. Além disso, é importante fazerem parte da rotina alimentar da paciente ingredientes que contêm esta vitamina. Aliado a isso, também se deve, de forma moderada, expor-se ao sol, o que auxilia na fixação da vitamina D, entre outros benefícios.

4. E, por fim, temos os fatores imunológicos.
A paciente pode ter problemas genéticos ou então fatores que foi contraindo ao longo da vida. No caso do aborto de repetição, o organismo reage como se houvesse um corpo estranho e trabalha para expulsá-lo, combatendo a gestação e não permitindo que o embrião tenha a fixação inicial necessária ao organismo materno. Hoje em dia, através de exames laboratoriais, é possível detectar a medicação indicada para encapsular esses anticorpos produzidos pelo organismo de modo que eles não consigam agir de forma contrária ao desenvolvimento do embrião.

Um tratamento alternativo que pode ser associado é a ingestão de altas doses de progesterona. “Não há nenhuma contraindicação, já que é um hormônio liberado pela própria placenta da paciente durante a gestação e que também ajuda na fixação da gravidez.