voltar para a página-site da Dra. Flávia

 

Quando a menina passa do pediatra ao ginecologista?

por Dra. Flávia Fairbanks

Bouguereau, 1889, Os Murmúrios do Amor

 

Muitas dúvidas surgem sobre quando a adolescente deve procurar o ginecologista pela primeira vez.

 

Seria já na primeira menstruação? Quando começa a atividade sexual? Quando surgem as espinhas e, eventualmente, um problema hormonal? A verdade é que não há uma regra absoluta.

Sendo o ginecologista considerado o “médico integral da mulher”, ou seja, aquele que a acompanha desde a adolescência até a senilidade, participando dos momentos mais especiais de sua vida, tais como: primeira menstruação, primeiras relações sexuais, gestação e menopausa, o profissional deve ser visitado assim que a menina mostra o início de seu desenvolvimento sexual secundário, isto é, quando começa o crescimento mamário e o aparecimento dos pêlos pubianos e axilares. Mas por que isso? Porque é nessa fase que alguns diagnósticos de normalidade ou alguns transtornos já podem ser diagnosticados, como malformações do aparelho reprodutivo, alterações hormonais mais graves e, como na maioria dos casos, o diagnóstico que a adolescente é saudável.

Sabemos que a compreensão da menina sobre as mudanças que seu corpo vai passar na transição da puberdade vem aumentando, graças à melhor comunicação e entendimento entre as gerações de mães e filhas atuais, à facilidade de informação pela mídia e Internet e aos avanços da Medicina e dos exames. Mesmo assim, alguns tabus permanecem e devem ser elucidados pelo ginecologista de confiança da adolescente. Encontrar um profissional com quem ela se identifique é fundamental para garantir que ela vá expor realmente suas aflições e evite tomar atitudes sem respaldo médico, como iniciar o uso de anticoncepcionais sem supervisão profissional, por exemplo.

Os assuntos em maior pauta nessa faixa etária, atualmente, são as temíveis DST’s (doenças sexualmente transmissíveis) – sua forma de contágio, sintomas, tratamentos disponíveis e vacinas – além dos anticoncepcionais. Também ganha espaço a sexualidade das adolescentes: a qualidade da relação, dores na relação sexual, busca e obtenção de prazer. Parece-nos que a mulher aprendeu a buscar sua satisfação desde o início da prática sexual, o que melhora sua qualidade de vida global.

O ginecologista dispõe de meios tanto pela entrevista verbal da consulta quanto pelos exames complementares para garantir a saúde reprodutiva e psicológica da paciente, criando, assim, um vínculo forte e duradouro, que poucos obstáculos podem danificar.