voltar para a página da doutora Angelita

 

Evitar o câncer colo

retal depende de você.

por Profa. Dra. Angelita Gama

Pouco se fala no câncer do colon e do reto, que são porções do intestino.
Mas nas últimas décadas esse câncer vem tendo uma estimativa de incidência que o coloca em segundo lugar na região sudeste e em quinto lugar no resto do Brasil.
Isso mostra o peso dos fatores ambientais e dos hábitos da vida moderna:

o estresse, a dieta, o álcool, o cigarro e o sedentarismo. Esses fatores respondem por 80% da incidência do câncer, enquanto a genética fica com apenas 15 a 20%.
 

Todos nós, no Brasil, estamos conscientes dos riscos da alimentação inadequada, o excesso de gordura, os fast food, e o que se segue.

 

Para evitar o câncer é importante:

diminuir essas gorduras nocivas, enriquecer a nossa alimentação com frutas e verduras e evitar sobretudo os conservantes. Menos aditivos. Menos corantes.

As crianças, por exemplo, adoram os docinhos das mesas das festas infantis, atraentes, coloridos e, portanto, cheios de corantes. Precisamos conscientizar as indústrias alimentícias, os buffets para que não coloquem corantes artificiais nos alimentos, que troquem pelos naturais: urucum, tomate, cenoura, pimenta, etc.
A anilina, no intestino grosso, ajuda a incrementar substâncias que já são promotoras do câncer, substâncias carcinogênicas que, em contato com a parede do intestino, favorecem o aparecimento da doença em quem já possui a predisposição.
Outro engano comum é pensar que o cigarro causa apenas o câncer de pulmão, ele favorece também o aparecimento de outros cânceres, como o do aparelho digestivo, do reto, da bexiga, do intestino.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O Câncer colo retal é curável e evitável:
No início:

mais de 90%
Mais avançado: 40%
Muito avançado: 20% ou incurável

 

80% da incidência do câncer está nos hábitos de vida e só 20% nos fatores genéticos.

Portanto, é preciso perceber no começo pois os sintomas só aparecem quando ele cresce e sangra. Mas nem tudo o que sangra é câncer, pode ser hemorróida e, por isso, os mais jovens, quando se deparam com um sangramento retal vão logo pensando em hemorróida. Mas nem tudo que sangra é, tampouco, hemorróida.
A maneira correta de saber é através da colonoscopia, que examina o intestino inteiro. Esse exame, quando encontra um pólipo (precursor do câncer) pode simplesmente retirá-lo e assim, sem anestesia, com uma simples sedação, se interrompe a sequência pólipo-tumor.
A alegria do médico é quando acaba uma cirurgia ou quando se tira o pólipo por colonoscopia e sabe-se que o paciente está curado. A tristeza é quando o tumor está tão avançado que já formou as metáteses para outros órgãos e aí pouco, ou nada, se pode fazer.

É muito importante que se crie a consciência, em todos, da necessidade do exame preventivo, seja uma simples pesquisa de sangue oculto nas fezes, um toque retal (que pode diagnosticar o câncer do reto) e até a colonoscopia.