voltar para a página do doutor

Crianças Obesas

                                por Prof. Dr. Alfredo Halpern

 
 

uma criança gorda tem entre 60% e 80% de probabilidade de se tornar um adulto obeso que viverá em luta contra o ponteiro da balança

A obesidade infantil é uma epidemia alarmante. Nos quatro cantos do planeta encontramos um número cada vez maior de meninos e meninas com excesso de dobrinhas. Para você ter uma ideia, 40% das crianças brasileiras estão acima do peso adequado para a idade e 15% da nossa garotada é obesa, ou seja, gorda pra valer. Os pais parecem não levar tão a sério esse problemaço quando dizem sobre o filho roliço: "Ah, ele é só um garoto. Depois de crescer vai ter todo o tempo do mundo para fazer dieta.” Essa falta de pressa é uma doce ilusão.

 

Todos já ouviram falar de um sujeito gordo fulminado por um derrame ou de uma mulher obesa e diabética que teve um ataque do coração. Enfim, todos conhecem pelo menos a história de um adulto que morreu ou quase morreu por ser gordo, mas ninguém tem notícia de uma criança que morreu simplesmente por ser gorducha. A gordura na infância dá a impressão de não ter urgência. Eis a grande armadilha.

Bastaria parar e refletir: uma criança gorda tem entre 60% e 80% de probabilidade de se tornar um adulto obeso que viverá em luta contra o ponteiro da balança. Ora, no mínimo podemos dizer que a criança gorda está sendo condenada, desde cedo, a um futuro com todas aquelas ameaças que a obesidade faz à saúde. Mas, na verdade, nem é preciso esperar que ela cresça para sentir o peso do seu problema.

 

Até há alguns anos, nós quase não encontrávamos diabetes tipo 2 na infância. Agora a doença, que era típica do mundo adulto, está cada vez mais presente no universo infantil. E o quadro tende a piorar, porque notamos um crescimento assustador de casos de resistência à insulina entre a criançada. Quando o organismo se torna resistente ao hormônio fabricado pelo pâncreas, é líquido e certo que a glândula ficará sobrecarregada. Se cair em uma espécie de esgotamento, será a vez do diabete tipo 2.

 

As placas de gordura nas artérias também não esperam ninguém crescer. Estudos provam que meninos obesos já apresentam lesões nos vasos provocadas por elas — seriam o estopim do infarto que eles provavelmente irão sofrer anos depois. Essa revelação nem deveria lhe causar qualquer espanto. Exames de sangue acusam que pelo menos metade das crianças gordas tem taxas de lipídios — ou gorduras, se preferir - acima do indicado para a faixa etária. Você deve saber muito bem que as famigeradas placas se formam quando há muita gordura sendo transportada pela circulação, portanto...

 

Os problemas ortopédicos, esses sim, aparecem bem depressa. A criança obesa costuma ter sérios desvios de postura na região dos quadris e, principalmente, dos joelhos - é que, para suportar o peso, as perninhas adotam aquele formato de X.

 

0 mais triste, porém, é que a criança obesa costuma ser excluída. Todos nós sabemos como a meninada sabe ser cruel com sua franqueza. O colega gorducho é logo apelidado, sem dó nem piedade, de baleia, elefante... Se é adolescente e menino, costuma ter vergonha do pênis, achando que é pequeno demais - na verdade não é pequeno, mas está embutido em uma espécie de capa de gordura e dá essa impressão. Tudo isso gera traumas e complexos que podem só vir à tona muito tempo mais tarde, mas com uma força impressionante.

 

Por isso, não dá para adiar a questão para a idade adulta. É preciso ter paciência e reeducar a criança para comer, sem confundir guloseimas com amor e carinho. Nesse sentido, a Nova Dieta dos Pontos e a  Nova Dieta dos Pontos Para Crianças e Adolescentes lhe dará uma força e tanto. Mesmo assim, pode ser o caso de procurar ajuda. Quando há muita dificuldade para a criança perder peso, só o médico poderá cogitar reforços, como indicar uma terapia e apelar para remédios - eles, aliás, são uma tendência para dar um pontapé inicial no tratamento dos adolescentes.

 

 Rennoir, 1894