voltar para a página-site de contos e artigos da escritora Isabel Fomm

 

Politicamente Correto, só que não!   

por Isabel Fomm de Vasconcellos    
 

       

      Munch 1892 Entardecer na rua

 


Ser politicamente correto é ser ditatorial, é querer que todos pensem da mesma maneira, é ser prepotente e dono da verdade. "Os inteligentes são cheios de dúvidas e os estúpidos, de certezas".
Os chamados politicamente corretos são aqueles que querem homogeneizar o mundo e engessar o pensamento. Coisa de quem não consegue pensar com a própria cabeça e precisa do aval da mediocridade dominante. Coisa de quem ainda acredita que o mundo tem que ter um único caminho, uma única verdade, uma única certeza.
 

Isso não se parece com fanatismo religioso ou político?
Isso não se parece com ideias que levaram a genocídios, ataques terroristas e outras “cositas más”?


Melhor repensar esse tal desse politicamente correto.
O filósofo Luiz Felipe Pondé se refere a esse tipo de atitude como “a praga PC” (PC= politicamente correto).
E é uma praga mesmo.
Uma praga comodista. Pensar pra que? Sigamos a cartilha do PC e tudo estará bem, ninguém poderá me contestar, ninguém dirá que estou errado, porque, afinal, estou agindo e crendo segundo a convenção do politicamente correto.
Isso não se parece com covardia?
 

Isso não se parece com temor da crítica, do confronto, do diálogo?


Isso não é a cara dos dias de hoje?
 

Hoje quase todos evitam dizer “não”. Saem correndo de você para não ter que te dizer “não”.

Hoje quase todos evitam contestar o que quer que seja a não ser que todos estejam contestando. Ir pra rua é politicamente correto. Por isso tanta gente vai, mesmo que não tenha proposta política alguma para contribuir com o avanço das instituições e com o combate à corrupção.
 

O que escrevo agora sobre a covardia e a falta de personalidade dos "politicamente corretos" não se refere exatamente às manifestações. Refere-se sim a um tipo de gente que não precisa pensar, pois consome o pensamento pronto e embalado, como os produtos que estão nas prateleiras dos supermercados e nas vitrines dos shoppings. (Deveriam frequentar livrarias... nos livros tem diversidade de pensamentos...rsrs...).
 

A única maneira de evoluir nesse mundo é o confronto.

É do confronto de ideias de ideias, é do dialogo (alguém ainda sabe, sem consultar o dicionário, o que quer dizer “diálogo”?) é da discussão, já diriam nossos avós, que nasce a Luz.
Sem diálogo, sem troca de ideias, sem ouvir a posição daquele com o qual você não concorda, sem respeitar as divergências e os adversários, você nunca passará de um medíocre, um, no máximo, politicamente correto.
A vida é bela demais, os pensamentos são belos demais, a capacidade de diálogo é bela demais, para ser achatada e reduzida a uma coisa única, unanime. Nelson Rodrigues disse melhor do que eu: “Toda a unanimidade é burra”. Politicamente correto é igual a mediocremente estabelecido. Seja inteligente. Ouse pensar com sua própria cabeça e talvez você até se transforme, afinal, num ser verdadeiramente politicamente correto, só que não!
 

(publicado no site WMulher)

 

 

 

Paulista, 13 de março de 2016

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Paulista, 18 de março de 2016

Comente (seu comentário será publicado aqui, a menos que vc diga que não que a publicação)

   

Ana Perwin Fraiman Acompanho as publicações deste site. São de excelência e, para mim já se tornaram primordiais.

Vera Donadio Concordo plenamente com minha amiga Isabel Fomm de Vasconcellos. O politicamente correto fere nossa liberdade de expressão!
 

 

Toninho Montoro Muito bem escrito, concordo.
 

Lourdes Novello como sempre escreveu perfeito.