voltar para a página-site de contos e artigos da escritora Isabel Fomm

 

O Homem dos Teus Sonhos, Só que Não!

Isabel Fomm de Vasconcellos

 

Minha amiga, você já viu esse filme? O sujeito vai se chegando, se insinuando, descobre tudo o que você mais gosta e usa tudo isso, como se fosse assim... hum... por acaso, usa tudo isso para se tornar irresistível, aos seus olhos.

Você começa a acreditar que achou o verdadeiro amor. Afinal, ele é lindo, bem vestido, extra chique, tudo Armani... Além disso, como é culto! E como é delicado, gentil... Como pode – você pensa – existir um gato assim tão perfeito? Tudo o que você sonhava... E ainda, para completar, curte as mesmas coisas que você, gosta das mesmas músicas, leu os mesmos livros, viu os mesmos filmes... E a cada encontro, a cada postagem no Facebook, a cada telefonema, você delira de felicidade... É a sua alma gêmea!

Um dia, ele te liga no meio da noite: “Desculpe, mas eu não podia esperar para dizer a você que passei o dia pensando no amor, no que é afinal o amor, e conclui que eu te amo, é você a mulher que eu amo”.

Quer saber? Caia fora antes que você se apaixone mesmo e se dê mal. Sim, porque esse modelito de “homem perfeito”, aquele que gosta de tudo o que você gosta, que gosta de tudo o que você pensa, que gosta de tudo o que você faz, que concorda com todas as suas opiniões em todas as matérias, da arte à política, esse homem é apenas uma farsa.

Ele telefona para dizer que “estava louco para ouvir a sua voz”, mas o que ele quer é o prazer que só encontra em seduzir todas as mulheres que estão por perto. Para tanto, leu o Manual do Don Juan. Nunca, mas nunca mesmo, ele vai além disso. Nada de te levar para jantar e depois motel. Ele pode até te levar para jantar, mas será justo no dia em que ele terá um importantíssimo compromisso amanhã cedo. O negócio dele é massagem no próprio ego. Ele a-do-ra perceber que conquistou mais uma trouxa. Ou seja: você.

Esses são homens egocêntricos, frequentemente imaturos e invariavelmente ruins de cama. Não entre na deles, corte qualquer paixão, que começar a sentir por um gatuno desses, pela raiz. Mesmo que precise tomar um antidepressivo para conseguir. Mas caia fora o mais depressa possível. A conversa dele é só mentira. E nunca vai além da conversa.

Você será, para sempre, “A mulher da vida dele” ou o “Amor secreto” ou o “Amor impossível”. Secreto e impossível porque ele já tem família e filhos e uma mulher gorducha, já que só ele só faz sexo por alívio e muito de vez em quando...

O ruim de cama é uma praga, mas ruim de cama e Don Juan ao mesmo tempo, aí é o desastre completo. Fui.
 

Renoir, 1863, Dance at Bougival

 

 

 

publicado no site WMulher