voltar para a página-site de contos e artigos da escritora Isabel Fomm

João Gancho, a Mensagem da Forma.

por Isabel Fomm de Vasconcellos

 

 

A velha sorriu um sorriso de sábia:
Não chegue tarde pro jantar, que hoje tem sopa.
 

 

Meu nome é João Gancho.

Um dia, quando ainda pequeno, cansei de olhar só pra cara da miséria.

O rádio do vizinho (naquele tempo não tinha TV e muito menos internet) falava de coisas e coisas que eu jamais teria, nem sabia como eram. Olhei bem pra cara da minha mãe e disse: Velha, vou cair na vida.
 

A velha era linda. Gasta, acabada, esbodegada pela vida dura que tinha, mas linda. O pai sempre bêbado, a perder seu salário inteiro nos cassinos brilhantes, jogando com quem podia e o velho não podia...Mas o vício é danado. Não escolhe condição.
 

Eu tinha 9 ou 10 anos. E andava mesmo cheio de ver meus irmãos (eram seis) passando necessidade.
Naquele tempo, no Brasil, a gente era pobre, mas não era miserável. Se meu velho não jogasse, somando o que ele ganhava com o que a velha fazia lavando roupa dos outros, daria pra viver com decência. Mas eu, na ingenuidade da infância, acreditava que, com uma boca a menos pra alimentar, a minha família ia viver melhor. E eu poderia conhecer a cidade, o mundo, as tais coisas das quais os rádios falavam.

 

Minha mãe ficou olhando, como quem não tinha entendido:
Vai aonde, o menino?
Cair na vida, minha mãe. Sair por aí.
A velha sorriu um sorriso de sábia:
Não chegue tarde pro jantar, que hoje tem sopa.

Portinari, Guerra e Paz

Juntei tudo o que eu precisava, ou achava que precisaria, para a grande aventura.
A velha me olhava com o rabo do olho, sem dizer nada. Ela jamais impedia a gente de concretizar um plano importante. Era uma velha sábia como poucas. Ficou só me observando. E senti que lhe devia lealdade. Então, quando a trouxa com as coisas ficou pronta, me cheguei muito manso mas muito sério pro lado dela:
Não me espera pra jantar não, tá?
E amanhã?
Não sei quando, mãe. Vou tentar a sorte na cidade.
Vai com deus, Joãozinho.
E me sapecou um beijo na testa.
 

Isto foi há mais de 60 anos. Nunca mais voltei.
 

A cidade era dura e cruel, mas eu tinha bom jogo de cintura.
Montei minha caixa de engraxate, trabalhei duro no armazém, enfrentei bandos por um ponto onde pudesse ganhar a vida engraxando o sapato dos ricos. Vendi bilhetes da loteria federal. E aprendi tudo o que sei nas ruas de São Paulo.
Estudei, também, Deus sabe como. E venci a cidade. Fiquei rico, respeitado, estudei no Exterior, na condição de bolsista, arrumei emprego numa empresa multinacional e fui subindo, subindo, subindo. Até deputado virei.
Tudo por uma paciência infinita e uma inacreditável habilidade para engolir e digerir sapos.
 

Pouca gente poderia reconhecer em mim, importante personagem da pantomina nacional, o menino João Gancho.

Nem eu mesmo entendo o que foi feito dele, em tantos me tornei.
Doutor João. Deputado João. Comendador João. Presidente João.
 

Só  sei que, na calada da noite, ele volta, o menino João. 0 que fugiu de casa antes do jantar.
0 mesmo menino que carregava consigo, aonde fosse, um velho gancho de carga, tirado do lixo, como se fosse uma joia.
 

O gancho que me valeu o apelido e a vida porque foi olhando pra ele, conversando com ele como se fosse um amigo, nas longas madrugadas geladas da minha infância solitária da cidade, que eu percebi a mensagem da forma: enganchar.
Foi isso o que fiz então ao longo da minha vida: enganchei-me a todo e qualquer homem, a toda e qualquer ideia, a tudo, enfim, que eu acreditava estar no caminho da ascensão social e financeira. Nunca fui leal, a não ser aos vencedores, aos que podiam me arrastar, enganchado, em direção ao sucesso.
 

Não. Minto. Leal eu fui à minha mãe, quando lhe disse que não voltaria para o jantar. 

 

(publicado na Revista "Cá Entre Nós", de Carlos Leite Ribeiro, em Portugal, agosto 2015)

 

COMENTE - seu comentário será publicado aqui

 

COINCIDÊNCIA??

 

As tres primeiras pessoas que comentaram esse texto se chamam Antônio...

Antonio Neto Gostei da estética generosa, mesmo para uma sociedade enganchada de forma mesquinha há tantas décadas

 
 

De: GMAIL Antonio Carvalho do Nascimento
Para: saudelivros@isabelvasconcellos.com.br
Data: 09/09/2015 22:55
Assunto: João Gancho

Bel
Lindo, simples, despojado, verdadeiro!

Tom

 

 

De: "António de Andrade Albuquerque"
Para: saudelivros@isabelvasconcellos.com.br
Data: 11/09/2015 12:09
Assunto: João Gancho

Cara Isabel:

Naturalmente, mais um conto Seu realçando espírito de observação profundo de uma forma singular e objectiva. Uma fotografia de um dos muitos milhares de «perdidos» que navegam nos caminhos sinuosos da vida, perdendo--se na sua maioria, vencendo na minoria e... muitas vezes esquecendo-se do «caminho amargo» percorrido e recusando a mão que um semelhante lhe pede...

Um abraço,

António